Quinta-feira, 21 de Junho de 2007

Amor e seus mistérios

Nunca é demais falar de amor, principalmente num mês tão propício como junho. O ar fica diferente. É como se o cupido estivesse trabalhando em dobro, soltando suas flechas e fazendo com que cada pessoa encontre, nem que seja por um curto período, a vontade de estar ao lado de outra. Há também aqueles encontros que acabam se tornando eternos. Quando a mágica do amor aparece tudo muda: as pernas tremem, a boca fica seca, falta ar para respirar, o coração acelera, surge a excitação e quando nos damos conta duas pessoas passam a ser uma. O amor é capaz de tudo, de fazer perder a identidade, de querer desafiar o mundo em prol dele, de abrir a guarda para a chegada de outra pessoa, de deixar bobo, de alegrar a vida e passar a dar valor a cada detalhe que ela oferece. Ainda está para nascer uma pessoa que diga, de peito aberto, que não conheceu o amor e suas armadilhas. Quem nunca sofreu por amor e acabou achando que ele jamais voltaria a aparecer fechando as portas, janelas, saídas e entradas? Pois bem, ele não pede licença, não escolhe sexo, cor, credo, momento, simplesmente ele aparece e ninguém nunca pode dizer que está preparado para recebê-lo, até porque ninguém sabe o que vem pela frente. Vamos embarcar nessa matéria que preparamos para os que acreditam e também para os que não acreditam nessa coisa misteriosa chamada Amor.

Substâncias / Você Sabia?
Segundo pesquisadores existem três substâncias responsáveis pelo amor: dopamina, feniletilamina e ocitocina. Essas substâncias químicas são todas relativamente comuns no corpo humano, porém são encontradas juntas apenas durantes as fases iniciais da paixão. Com o tempo o organismo vai se tornando resistente aos seus efeitos e toda a loucura da paixão vai se acalmando gradualmente. Pasmem! Os homens parecem ser mais susceptíveis a ação das substâncias responsáveis pelas manifestações associadas ao amor: eles se apaixonam mais rápido e facilmente que as mulheres. Cientistas conhecem a feniletilamina há cerca de 100 anos, mas só recentemente começaram a associá-la ao amor.


Astrologia do amor
Não tem jeito. Quando se conhece alguém as perguntas são sempre as mesmas: o que você faz? Onde mora? O que faz na vida? Qual é o seu signo? E a gente fica querendo saber se o signo tem compatibilidade com o nosso e verificar as personalidades através dos astros nos níveis emocional, afetivo, sexual, intelectual, no jeito de ser, de agir... Gêmeos combina com Leão? Será que Peixes dá certo com Escorpião?  Veja onde você se encaixa:
Fogo (Áries, Leão e Sagitário): não importa se homens ou mulheres, nativos desse elemento são sempre amantes da natureza. Detestam ser comandados, se entendiam junto à pessoas. Tem uma força vital incrível quando estão bem. Normalmente se apaixonam facilmente. A lealdade para esses signos é mais espiritual do que física.
Terra (Touro, Virgem e Capricórnio): são auto-suficientes, práticos, realistas, constantes (menos Virgem) e leais. Quando resolvem ficar com alguém, é a sério. Não se sentem muito atraídos por casos rápidos. São sensuais, sendo que Virgem é pouco mais cerebral e controla mais a espontaneidade.
Ar (Gêmeos, Libra e Aquário): de todos os signos desse elemento, Libra é o mais romântico, Aquário o mais liberal é Gêmeos o mais aberto às mudanças. Mas todos são suficientemente esclarecidos e querem sempre saber mais, aprender - de forma superficial ou não - e trocar idéias. Quando se comprometem com alguém, é porque encontraram um canal de comunicação interessante.
Água (Câncer, Escorpião e Peixes): amantes, românticos, apaixonados até o limite de sua própria vida, os signos de água querem sentimento, intensidade e intimidade. De todos, Escorpião é o mais determinado no amor, Peixes o mais misterioso e charmoso e Câncer o mais maternal.
 

Pode ajudar
Quando o amor pega de jeito:
Se permita ser carinhoso.
Homens abrem a porta do carro para outros homens, assim como mulheres abrem para outras mulheres.
Jantar a dois sempre funciona. Nada de ficar levando para festinhas com amigos na fase inicial. Aproveite a paixão que está acesa.
Nada de ficar levantando bandeiras e dizendo que o maior barato é ficar brincando embaixo da enorme bandeira do arco-íris nas Paradas do Orgulho que rolam pelo país. Não seja tão franco logo na primeira saída. Franqueza demais assusta. Deixe a pessoa conhece-lo aos poucos. Isso causa um certo mistério e o fogo da paixão tem longa durabilidade
Seja companheiro. Procure dividir a conta do jantar ou do almoço. Se não tiver grana para ir aquela restaurante classe A, fale francamente e com certeza o lanche no McDonald`s será um sucesso!
Logo nas primeiras semanas dá logo aquela vontade de morarem juntos. Antes de falar ou partir para tal, faça um teste fazendo viagens curtas. Observe tudo: a maneira que a companhia arruma a mala, como se comporta no quarto, seus hábitos e por aí vai. Pode não parecer mais isso ajuda muito a descobrir o que vem pela frente.
Músicas sempre pontuam as relações. Procure não ser chato e impor somente o seu gosto. Veja o que parceiro gosta e divida.
Dê presentes, de acordo com sua posse, quando ele (a) menos esperar. Além de surpreender, dá um molho a mais à relação.
Nada de ficar reclamando do patrão, da secretária... Isso cansa e o que vale realmente na fase inicial é a vida intima de vocês
Nada de querer modificar a pessoa e fazê-la ser do seu jeito. Respeito é bom e todo mundo merece.
Sexo é bom e todo mundo sabe disso, porém com preservativo. Sempre!

O primeiro jantar
Se você mora sozinho e quer impressionar seu parceiro (a) as dicas abaixo vão ajudar bastante você sair bem na primeira incursão à cozinha e todo o clima que a noite precisa. Pesquisamos e descobrimos algumas dicas bem interessantes para o primeiro jantar. Afinal de contas, a primeira vez a gente nunca esquece;
Deixe a casa totalmente harmonizada com incensos, velas e flores, porém sem excesso. Procure deixar seu parceiro (a) totalmente à vontade. Nada de impor regras. Cada um tem seu jeito próprio de agir;
Procure colocar uma boa música. Evite os batidões eletrônicos, funk, axé...
 
Não tente fazer o que não sabe, em nenhuma hipótese: não tente cozinhar o que não sabe. Não tente escolher comidas que não conhece nem experimentar combinações loucas. Isso colocará sua naturalidade a perder;
Nada de ficar falando dos antigos amores, transas e performances. Isso pode assustar;
Modere-se. Não vá, logo no primeiro dia, revelar que você é um glutão. Não se embebede, nem coma tanto que tenha que arrotar. Saia da mesa com um pouco de fome e apenas ligeiramente alto;
Prefira comidas leves. Rabada com polenta, feijoada, mocotó são pratos que devem ser evitados na primeira refeição a dois. Se tudo der certo você fará exercícios depois, e ninguém quer que você troque a ordem dos pratos principais;
Não fale com a boca aberta, cheia de comida. Não use a bebida para ajudar na deglutição. Não use palitos.

Se o primeiro encontro romântico será num restaurante é bom seguir algumas pequenas dicas:
Controle sua fúria: o mínimo de etiqueta convém. Seja gentil. Sirva-se depois, coma depois, sente-se depois. A única coisa que você faz antes é perguntar.
Nunca trate mal os garçons: aliás, nunca trate mal nenhuma pessoa que o estiver atendendo. Essas pessoas o servem e ser servido é uma honra. Nada contra certa intimidade quando você conhece o lugar, desde que fique claro que a situação presente é diferente das demais. Se você destratar um garçom, vai parecer um imbecil capaz de destratar qualquer pessoa. Ninguém dorme com imbecis se o descobrem imbecis a tempo;
Não se apresse: não corra, não peça comida tão logo chegue ao lugar, não se insurja contra a demora no atendimento. Use-a a seu favor. Não queira encerrar tudo rapidamente, peça sobremesa com calma e desfrute-a. Tome o café. Se seu companheiro (a) não estiver com pressa, vai adorar. Se estiver, vai adorar mais ainda.

A primeira vez
Mesmo sendo inevitável é bom dar um tempo no pensamento de como vai ser a primeira transa. Ninguém precisa se mostrar que é expert na cama. A primeira performance sempre marca, mas tem que ter a noção que outras estão por vir e podem ser melhores do que a primeira. Ativo ou passivo? Essa pergunta constrangedora fica martelando a cabeça por todo o tempo até a hora da revelação na cama. Não importa o que cada um é. O que vale é sentir e dar prazer na mesma intensidade. Qual o problema em ser passivo? Muitos confundem e desprezam achando que essa posição na cama é sinônimo de inferioridade. E tem também aqueles que juram de pés juntos que na cama são ativos e que nunca ficaram na posição de passivos. Só que com o tempo, a relação vai caminhando para algo mais concreto e todos vão descobrindo as formas de amar e vão quebrando suas barreiras fazendo do sexo o prazer e a liberação total. Como estamos falando da primeira vez é melhor deixar esses questionamentos para uma outra matéria. Aproveite bem as preliminares. Não tenha medo de se expor: brinque com o sexo do seu parceiro (a) e aproveite o que ele pode oferecer. Nada de ficar reprimido. Se você tem uma barriguinha protuberante não se esconda. Se você quer dar continuidade à relação, apresente-se da forma que você é. Se seu pênis é pequeno, paciência: você não tem culpa de ter vindo ao mundo dessa forma então o que fazer: se mostre e haja naturalmente. Com certeza ele é capaz de fazer misérias como outro qualquer. O que não pode ter de jeito algum: falta de higiene. Isso é brochante e ninguém merece.  

 

Crônica de um amor louco
Rio de Janeiro, cenário típico para o nascimento de grandes amores. E foi diferente para Paulo e João. Em pleno Centro da cidade eles se conheceram e a partir daí não se separam. Eles não vivem juntos e nem tão pouco mantém uma relação digamos de namoro, mas entre eles existe algo inexplicável que beira a loucura e a obsessão, não conseguem se largar e vivem um verdadeiro tormento. Nos jogos de cartas e búzios a relação está sempre associada ao Karma que ambos carregam por não conseguirem se separar, mas para João o Karma acabou se tornando uma praga que não consegue desvencilhar. Quando vão para uma balada eles fumam um baseado, brincam, dançam e voltam para suas casas felizes como duas crianças. A música pontua a vida dos dois. Cada frase de uma canção marcante acaba sendo um dom muitos fragmentos que se juntam a um emaranhado de palavras formando a história de ambos. “Entre eles existe a notícia que os separa”. Entre tapas e beijos eles caminham em vidas opostas e não sabem o que realmente sentem um pelo outro. Será amor? Pergunta Paulo ao amigo confidente. A resposta é direta: segue a sua vida, ele não tem nada para te oferecer. Contrariando a todos, desafiando os búzios, aos santos e o que mais se opuser Paulo abre mão de tudo e continua a sua jornada. O que a vida pode oferecer para eles? Acho que ninguém sabe, nem mesmo eles. Entregam-se a esse jogo de vida e morte e desafiam o amor e todas as formas que existe de amar. Entre eles o mistério está sempre rodeando e cada um tem medo do próximo instante e da calmaria que o amor propicia. Esse texto nada mais é uma crônica de um amor louco, que não é tocado, somente é sentido. Ambos adormecem no meio de um fogo cruzado, com balas pipocando no céu e estilhaçando janelas, paredes, corações deixando um vazio na cama, na alma. Aqueles dois se revelam como nada tivessem que oferecer um ao outro. São dois rostos na multidão querendo clemência, orando e pedindo aos deuses um amor verdadeiro. Eles têm um ao outro mesmo sem saber a cor do sexo, do beijo, do abraço. Abrem mão da tentativa do amor com medo do próximo momento e do futuro. Mas o que é o futuro? Eles não sabem e será que um dia vão saber? Paulo e João vão tocando as suas vidas. Um num escritório de advocacia vivendo entre o fórum e o escritório e o outro adestrando e dando banhos em cachorros num pet shop. Durante todo o dia eles se falam como dois amantes apaixonados e cobram decisões como se vivessem aquela relação intensamente. Ao anoitecer, cada um vai para as suas casas e após o jantar vão para janela olhar a cidade de cima analisando cada casal que passa em baixo de seus prédios com uma ponta de inveja, querendo estar ali vivendo nem que fosse por alguns minutos aquele amor, mesmo que fosse louco.

 

Para assistirem juntos:
Diário roubado
Aimé & Jaguar
Delicada atração
Maurice
Essa estranha atração
O beijo da mulher aranha
Morango e Chocolate
O fiel camareiro
Fome de viver
Deuses e monstros
Morangos mofados

 

 

 

 

“... Ainda que eu falasse a língua dos homens e falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria...”.

“... Um doce descascado pra mim, eu guardo pro fim pra poder demorar. Uma grande história é assim: dois homens apaixonados”.

“... Não dá mais para segurar. Explode coração”.

“Deixa o ciúme chegar. Deixa o ciúme passar. E sigamos juntos. Oh! Neguinha. Deixa-me gostar de você”.

publicado por Paula Valentina às 05:28

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Meninas: escolham bem a c...

. Alimentos Sexo 2

. Alimentos Sexuais

. Ultima moda no Japão

. vem cá bobinha. Não vou f...

. As 11 mães mais singulare...

. Ciclo Menstrual (Muito Im...

. Castilla la mancha

. Sexo Oral...

. Cartoons!

.arquivos

. Junho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.favorito

. Memórias vilacondenses (V...

. Caleidoscópio

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds